Liderança – desenvolvimento comportamental

Por:Julio Machado
Sem categoria | Workshops

11

Aug 2016

LIDERANÇA – DESENVOLVIMENTO COMPORTAMENTAL –

Workshop para líderes e gestores (08 a 16 horas) –

BENEFÍCIOS ESPERADOS:

  • aumentar a competência emocional dos líderes, no sentido de ajudá-los a superar as principais deficiências de aprendizagem (mudança de comportamento) da sua equipe de trabalho e da organização. Esta competência também inclui: capacidade de ficar bem consigo mesmo, autoconfiança, tolerância, humildade e a compreensão de fazer parte de um Todo (espiritualidade);
  • conscientização do seu papel de líder e de educador, capaz de incluir seus liderados dentro da missão e da cultura da organização. Para isso é necessário diminuir a necessidade de controlar e de se impor aos demais, revendo as suas rotinas defensivas;
  • maior velocidade na solução de conflitos aumentando a fluidez nos relacionamentos;
  • maior afinação e cooperação entre as pessoas;
  • melhor rendimento e criatividade no trabalho;
  • maior fluidez e afetividade na comunicação interpessoal;
  • disponibilidade para dialogar e rever antigos modelos mentais ;
  • atitude pró-ativa (conduta empreendedora):  habilidades para tornar a vida melhor e criar seu futuro ao invés de esperar que as coisas melhorem de fora para dentro.

METODOLOGIA: a abordagem será feita através de palestras e exercícios prático-vivenciais, utilizando-se de técnicas de hamonização pessoal e grupal, técnicas de relaxamento e aumento da percepção sensorial, filmes, dinâmicas de grupo, música e canto, de modo que a teoria seja uma decodificação das experiências vividas pelo grupo, buscando a sua aplicabilidade na realidade pessoal.

TAMANHO DO GRUPO: máximo 30 participantes

DURAÇÃO DO TRABALHO: 08 a 16 horas

LOCAL : de preferência com sala de reuniões espaçosa  e confortável, com área externa e espaço verde para realização de atividades ao ar livre.

 

SUGESTÃO DE CRONOGRAMA, TEMAS E DINÂMICAS (16 horas)


1º MÓDULO (04 h): CUIDANDO DE SI MESMO E DOS RELACIONAMENTOS

– Exercício individual (15 min.) sobre a importância em desacelerar para encontrar o seu próprio centro

Palestra de sensibilização (60 min.): “A ÉTICA DO HUMANO: O PROPÓSITO DE CUIDAR DO SER E DAS RELAÇÕES”.

Leonardo Boff, no seu livro “Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela terra” denuncia a principal crise civilizacional: “O sintoma mais doloroso, já constatado há décadas por sérios analistas e pensadores contemporâneos, é um difuso mal-estar da civilização. Aparece sob o fenômeno do descuido, do descaso e do abandono, numa palavra, da falta de CUIDADO”.

Hoje, cuidar do Ser necessita considerar um tripé: CUIDAR DE SI, CUIDAR DO LOCAL, CUIDAR DO GLOBAL. Esta consciência mais ampliada afeta profundamente a maneira como cuidamos de nós, como cuidamos do clima organizacional e como nos relacionamos com o meio ambiente, demolindo o conceito de indivíduo desvinculado para destacar as relações.

Dinâmica “fila de aniversário” (30 min.), com o objetivo de promover uma integração entre os participantes e, ao mesmo tempo, trabalhar o conceito de engajamento pessoal com vistas ao sucesso grupal.

 Dinâmica de apresentação com troca de papéis (30 min)

 – Palestra de sensibilização (60 min): APRENDENDO COM OS RELACIONAMENTOS: COMO SE POLIR AO INVÉS DE SE FERIR

No processo de comunicação, quer na área organizacional, educacional, familiar,  habilidades tais como aprender a perdoar, não julgar, saber ouvir, compreender o lado do outro; são imprescindíveis para a boa saúde dos  relacionamentos. Quando percebemos que duas pessoas estão lenta e determinadamente adoecendo a sua relação; que todo afeto, admiração e reconhecimento começaram a se quebrar, podemos dar por certo que a falta dessas habilidades, está destruindo a comunicação entre essas pessoas.

Dinâmica dois a dois – (30 min.), com o objetivo de treinar a atenção, a confiança e o cuidado com o outro.


2º MÓDULO (04 h): LIDERANÇA

Palestra (45 min.): “LIDERANÇA PELO EXEMPLO”

A sustentabilidade das ações de uma empresa depende do quanto ela acredita e investe nas pessoas, convidando-as a serem agentes de inovação e não meros expectadores do processo. Esse novo modus operandi motiva os colaboradores e os torna mais comprometidos com a implantação das mudanças que se fazem necessárias.

O maior catalisador desse processo de participação e comprometimento dos trabalhadores é, sem dúvida, o envolvimento total das lideranças. O líder que adquire essa consciência não é aquele que apenas ensina e manda fazer, mas o que influencia a sua equipe através do seu próprio exemplo.

Muitas iniciativas para melhoria da saúde e segurança dos trabalhadores, por exemplo, ficam esmaecidas e se perdem pelo caminho, por falta de engajamento efetivo das lideranças Os líderes indicam a atividade, mas não participam nem incentivam seus liderados. Em alguns casos colocam a produção e o trabalho burocrático como prioridade, inibindo ou sabotando a participação dos seus comandados nessas mesmas ações.

O líder eficaz, portanto, é aquele que exerce uma autêntica autoridade sobre seus liderados. Ele não se impõe a si mesmo. O seu comando é natural, pois o seu exemplo arrasta as pessoas que com ele trabalham, sentindo-se promovidas e motivadas.

Filme editado + comentários (60 min.) “Mudança de hábito”: para trabalhar os conceitos tratados acima

Dinâmica (30 min.) “Fila indiana” com o objetivo de promover uma integração entre os participantes e, ao mesmo tempo, trabalhar os conceitos de iniciativa pessoal e responsabilidade grupal;

 – Palestra (45 min.): GESTÃO PARTICIPATIVA: INTEGRANDO TALENTOS

A realidade mudou e o papel do líder, nas empresas, também mudou. Há bem pouco tempo, prevaleciam a burocracia, a tecnocracia e o autoritarismo. A função do gerente era mandar, cobrar, punir.

Hoje no meio empresarial, despontam conceitos como “inteligência grupal”, “gestão participativa”, “organizações que aprendem”, considerados fundamentais para o sucesso das organizações. À frente dos concorrentes, estão as empresas que investem no potencial humano e acreditam na força da integração das competências de cada um.

A filosofia da gestão participativa cria um comprometimento mais profundo entre os membros da equipe e abre espaço para a manifestação da criatividade e habilidades que potencializam resultados e criam um clima organizacional positivo.

Do “chefe” ao “líder educador”, a função gerencial passa por significativas transformações:
O Chefe supervisiona tarefas…o líder facilita processos;
O chefe centraliza o poder…o líder delega;
O chefe é temido…o líder é respeitado e admirado;
O chefe é partidário…o líder é agregador;
O chefe conhece apenas a sua parte…o líder tem a visão do todo.

Esse novo líder, enfim, é aquele que exerce uma autêntica autoridade sobre seus liderados. Ele não se impõe a si mesmo. O seu comando é natural, pois as pessoas que com ele trabalham sentem-se promovidas e motivadas. Seu trabalho é alicerçado no compromisso em desenvolver, tanto o “organismo” chamado empresa como as pessoas com as quais ele trabalha.

 Dinâmica (30 min.)Pés no quadrado”: com o objetivo de trabalhar a criatividade na busca de uma solução grupal, diante de uma situação inusitada.


3º MÓDULO (04 h): AFINAÇÃO DE EQUIPES

Dinâmica (15 min.) “Roda maluca”: com o objetivo de superar um aparente caos, com maior fluidez e humor.

Palestra (45 min.): “COMUNICAÇÃO INTER-PESSOAL”.

“Para viver num mundo quântico, para tecer aqui e ali com facilidade e graça, teremos necessidade de modificar aquilo que fazemos. Teremos de parar de descrever tarefas e dedicar-nos a facilitar o processo. Precisamos adquirir conhecimentos sobre como construir relacionamentos, como alimentar o crescimento e como desenvolver coisas. Todos nós vamos precisar de melhores capacidades para ouvir, para comunicar e para facilitar  grupos, porque são esses os talentos que criam relacionamentos sólidos.  O poder nas organizações é a capacidade gerada pelos relacionamentos.” ( Margaret J. Wheatley no seu livro  “Liderança e a nova ciência”)

O Universo é como uma grande teia e todas as suas partes encontram-se interligadas. Qualquer ponto afetado repercute em toda a teia. Não existem fatos isolados, tudo está interconectado numa via de mão dupla, seja emitindo ou recebendo estímulos. É como um organismo, tudo tem a ver com o Todo.

Tudo é Um. A realidade vista desta forma dilata em muito a nossa responsabilidade, pois o que fazemos ou deixamos de fazer afeta todo o sistema. Isso significa que os outros são atingidos, positiva ou negativamente, pelas nossas escolhas pessoais. À medida que tornamos a nossa vida mais bela e harmoniosa, tornamos também o mundo um pouco melhor.  Através de fios condutores invisíveis  podemos contagiar de paz e de harmonia, tanto quem estiver ao nosso lado como os pontos mais remotos do planeta. Nenhuma parte do sistema mais amplo deixa de ser atingida pelas mudanças que se processam em algum lugar dele.

Dinâmica “Você decide!” (30 min.), com o objetivo de treinar a comunicação inter-pessoal, respeito às diferenças e a tomada de decisões;

– Palestra (45 min.): “A FORÇA DO TRABALHO EM EQUIPE”

Uma equipe não é o mesmo que um grupo. Um grupo é apenas um conjunto de indivíduos, um “amontoado” de elementos incongruentes e desafinados. Uma equipe é como uma orquestra afinada, sendo o líder aquele que exerce o papel do maestro promovendo o alinhamento do seu corpo funcional dentro de um objetivo comum.

No instante em que a tarefa exige a participação de mais de uma pessoa, passa a ser necessária uma disponibilidade para aprender a trabalhar em equipe. Esse aprendizado é o mais novo desafio de uma empresa que deseja aumentar sua velocidade para mudanças, em um mundo em rápida transformação. Isto também implica acelerar a eficiência organizacional, aumentando a motivação e o sucesso em seus empreendimentos com menos custo material e humano.
Em uma equipe valoriza-se a contribuição de cada indivíduo, mas a excelência é um atributo do conjunto e não um simples somatório de qualidades e talentos individuais. A combinação de qualidades como prontidão, coragem e eficiência (vontade); cuidado, confiança e vínculo (coração); entendimento, visão e integridade (mente) – de modo equilibrado – resultam numa poderosa sinergia.

A partir dessa Consciência de Equipe, forjamos uma cultura organizacional e um modo de funcionamento cuja força e permanência ultrapassam os indivíduos que a formam. Assim sendo, uma empresa pode manter sua excelência apesar da rotatividade dos seus profissionais.

Dinâmica (30 min.) para trabalhar o conceito de sinergia e aprendizado grupal.

Seleção de pequenos vídeos sobre ética e relacionamento interpessoal mais comentários (30 min.)

 

Compartilhe:

Rua João Chagas 383 / 1203 - Bairro União - Belo Horizonte - MG CEP 31170-370

(31) 3486-9883

luxor@juliomachado.com.br