Podcast 35 – NATAL… TEMPO DE AMAR E DE PERDOAR

Por:Julio Machado
Podcast | Sem categoria

20

Nov 2017

 

Em meio a tantos apelos para as compras e o acúmulo das festas de fim-de-ano, a celebração do natal costuma passar apenas como um dia para dar e receber presentes. Comemoramos um “aniversário”, mas costumamos esquecer do aniversariante.

Sendo uma festa cristã, o significado do natal está embasado numa mensagem muito simples:

Deus nos criou como seus filhos e só seremos felizes se nos relacionarmos como uma família, amando-nos uns aos outros. Portanto, se cremos nisso, não podemos ver as outras pessoas a não ser como irmãos, filhos de um mesmo Pai. A grande maioria concorda com isso, inclusive muitos cristãos “praticantes”, só que na prática, a teoria é outra.

Uma passagem do evangelho nos lembra do presente que mais agrada a um pai ou a uma mãe: ver seus filhos alegres e unidos. Nesta passagem o Cristo nos adverte que se vamos ao altar de Deus oferecer-Lhe um presente, mas estamos brigados com um irmão, esta oferta é vazia e sem sentido. Ele diz: Vá primeiro reconciliar-te com teu irmão e só depois traga a sua oferta a Deus”.

Claro que todos temos nossos motivos e sempre estamos cobertos de razão para darmos as nossas costas para alguém. Afinal o outro nos ofendeu ou faltou conosco, e nos colocamos no confortável lugar de vítimas. Mas, se almejamos a paz em nossos corações é muito importante que nos reconciliemos com o outro. Quanto mais adiarmos isso, mais sofreremos e atrairemos doenças para o nosso lado.

Por que perdoar? Para sermos generosos, bonzinhos ou condescendentes? Digo que não. Devemos perdoar mais por nós mesmos do que pelos outros. O perdão nos purifica da negatividade, do ódio e do rancor que envenenam e embaçam o nosso espírito. Temos até a ilusão de que se atacamos e culpamos alguém, estaremos livres e confortáveis. Mas, o fato, hoje comprovado também pelas ciências do comportamento humano, é de que nós somos os maiores prejudicados quando guardamos mágoas. Se soubéssemos o mal que fazemos a nós próprios, mais que depressa recolheríamos as nossas pedras e as usaríamos para fazer algo mais construtivo, por exemplo, construir uma ponte.

No campo das ações, podemos dizer que a maioria das pessoas é bastante correta e razoável. Aplicam as regras e respeitam as leis da sociedade. Mas no campo emocional, a realidade é outra. Permite-se tudo: invejas, raivas, maldições, ciúmes, julgamentos, desejos de vingança e de destruição. E depois quando nos sentimos cansados, deprimidos, amedrontados, doentes e com a nossa realidade material se atropelando, achamos que é por puro azar. Ledo engano. Tudo está interligado. Aliás, já não é de hoje que ouvimos dizer: “quem semeia ventos, colhe tempestades”. Mal sabemos que nós mesmos atraímos tudo o que nos acontece, de bom ou de ruim, simplesmente pelo poder da nossa vibração produzida pelos nossos pensamentos, palavras e ações.

Todas as áreas da ciência chegaram, hoje, a uma mesma conclusão: bons pensamentos e palavras BEM-DITAS iluminam e aquecem a vida, enquanto pensamentos e palavras negativas (malditas) podem chegar a destruí-la.

Este é o grande APELO do natal : amar e perdoar. Pois assim como perdoamos somos perdoados; e é amando que espalhamos as boas sementes dos frutos que certamente colheremos.

O espírito do natal nos convida a darmos um passo além das nossas fortificações e a abrirmos uma pequena fresta na porta dos nossos corações para darmos um sorriso singelo: para a esposa ou para o marido, para os filhos, para o vizinho e também para as pessoas que nos servem onde moramos. Se ousarmos um pouco mais, podemos também dar um abraço.

A partir deste sorriso e deste abraço, podemos deixar no passado as mágoas familiares e os desentendimentos com os vizinhos. Assim estaremos com o nosso espírito mais limpo para, como os “reis” que somos, trazer a nossa oferta diante do presépio onde o amor renasce, mais uma vez, para habitar dentro de nós.

 

Compartilhe:

Rua João Chagas 383 / 1203 - Bairro União - Belo Horizonte - MG CEP 31170-370

(31) 3486-9883

luxor@juliomachado.com.br