Podcast 30 – O CIÚME – parte 2

Por:Julio Machado
Podcast

29

maio 2017

 

Vamos então continuar a conversa iniciada na semana passada quando introduzimos a primeira face do ciúme. Dissemos que tem duas faces; a primeira é mais reativa e destrutiva enquanto a segunda face é mais consciente e saudável. É consciente porque podemos escolher mudar a nossa atitude, colocando-nos numa postura de quem quer verdadeiramente aprender

a amar e, daí, mudar o seu comportamento.
O aspecto do ciúme que aqui estamos abordando é o que se refere, principalmente, a carência de atenção e suspeitas infundadas. Não estamos tratando daqueles casos onde uma pessoa tem ciúme do parceiro por ele ter uma amante, francamente assumida. Isto é outra história.

A primeira coisa que precisamos compreender para que o ciúme se torne um aliado do relacionamento, e não um veneno, é que ele é apenas um sintoma. Ele poderia ser comparado a uma febre; e uma febre não é causa de nada, mas sim um sintoma de que alguma coisa não está funcionando bem, de que algum órgão do nosso corpo está doente.

O ciúme é como uma febre que está avisando que alguma providência precisa ser tomada. Se o encararmos desta maneira, depois iremos até agradecer por ele ter aparecido, pois se a febre não existisse, nunca ficaríamos sabendo de um mal que está oculto no nosso organismo para podermos, assim, corrigi-lo.

Da mesma forma que uma lâmpada vermelha no painel do carro, o ciúme está nos avisando que o nível de óleo do nosso amor próprio está baixo, que a nossa auto-estima está precisando ser re-abastecida. Tanto é verdade que quando nos sentimos mais em paz e confiantes, ficamos mais tranqüilos com as coisas do outro e podemos até achar graça diante de algo que em outros tempos poderia nos provocar ciúmes.

A segunda coisa que precisamos compreender é que o ciúme é um problema nosso e não do outro. É muito mais cômodo permanecermos sentados sobre as próprias dificuldades e esperar que a solução venha de fora. Mas somente a partir do momento em que assumirmos as nossas fragilidades como nossas, é que começaremos a nos libertar e a libertar também o outro das nossas exigências.

A terceira coisa que precisamos saber é que não devemos negar ou fingir que não estamos com ciúme. “Deixe o ciúme chegar, deixe o ciúme passar”, como diz a canção. Admita que esta febril de ciúme e, se for o caso, diga para o outro, que o ciúme está presente. Não precisa dar uma de coitadinho. Apenas recolha as suas armas, peça desculpas se for preciso, e procure ficar consigo mesmo para recolocar a sua casa interior um pouco mais em ordem. Pegue o seu livro de auto-ajuda preferido, reze, faça meditação, ou se não estiver dando conta de lidar com isso sozinho, telefone ou procure uma pessoa que você confie como conselheira. É a hora de abrir a sua caixa de vitaminas para alimentar a sua alma desnutrida. Se você não tiver nenhum desses recursos disponíveis, está passando da hora de procurar ajuda para aprender a se cuidar espiritualmente. Caso contrário, não vejo nenhuma outra solução e a primeira face do ciúme ficará bem a vontade para prevalecer.

Claro que tratar o ciúme por este outro lado não é fácil de se conseguir da noite para o dia, pois o que mais vemos nas novelas e na sociedade, em geral, são pessoas amedrontadas e inseguras lançando ataques no sentido de impor ao outro que ele se anule e faça as coisas do seu jeito, assegurando, dessa forma, uma falsa “tranqüilidade”.

O ciúme é apenas um aviso para que percebamos que estamos esperando do nosso parceiro mais do que ele pode nos oferecer. Um sinal de que estamos colocando-o no lugar de um deus, que deve nos preencher e satisfazer todos os nossos desejos. Sinal de que queremos colocar o outro em um lugar que só cabe a nós ocupar, mas que não estamos ocupando. O ciúme é como uma tristeza que nos convida à introspecção e ao silêncio da noite escura da alma que espera pelo alvorecer de um novo dia.

Pode crer que se você aceitar que é assim, você será ajudado de uma ou outra forma e, quando menos esperar, a sua alegria voltará revigorada e o amor seguirá mais forte do que antes.Na primeira face do ciúme você quer fazer do seu jeito, custe o que custar e doa a quem doer. Na segunda face você apenas aceita que a coisa é com você, aceita também que está frágil e que não sabe como fazer direito as coisas. Daí surge o milagre, e uma nova compreensão começa a surgir e nos iluminar.

Agora se o seu parceiro ou parceira não te inspira confiança, se ele ou ela não tem um mínimo de respeito com os seus sentimentos, então você pode escolher terminar o relacionamento. Mas, na maioria dos casos, não se trata disso. O que mais se vê são pessoas imaturas se acusando reciprocamente e sem nem tentar assumir as suas próprias dificuldades e querer mudar o seu comportamento.

 

Compartilhe:

Rua João Chagas 383 / 1203 - Bairro União - Belo Horizonte - MG CEP 31170-370

(31)98744.0793

julio@juliomachado.com.br

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.