Podcast 72 – SÓ É LIVRE QUEM PODE ESCOLHER

Por:Julio Machado
Podcast

30

jun 2022

CLIQUE NO PLAY PARA OUVIR

No podcast número 71 demos alguns exemplos de como podemos nos sentir melhor a partir de mudanças que fazemos em nós mesmos. Esse assunto é tão importante para a nossa saúde, tanto física como emocional, que queremos explorá-lo mais um pouco esta semana. Poderíamos generalizar dizendo que todo ser humano deseja ficar livre do sofrimento e experimentar um estado de mais paz e felicidade. Creio que esse seja também o seu caso. O X da questão é como conseguir isso?

Bom meus amigos, para tentar solucionar essa equação humana, muitas correntes filosóficas e religiosas tem se ocupado desse tema ao logo de toda a história. Vejamos algumas citações ilustres:

Jesus disse: “Vai! Como creste, assim te seja feito!”         

Buda disse: “Somos formados por nossos pensamentos. Nós nos tornamos o que pensamos.”

Esta outra frase é de  Norman Vicent Peale: Mude seus pensamentos e você mudará seu mundo.”                            

James Allen assim enunciou: “Você está hoje onde seus pensamentos o trouxeram, e estará amanhã onde seus pensamentos o levarem.”                  

E terminamos com Charles Darwin dizendo: “O mais alto estágio da cultura moral é quando reconhecemos que precisamos controlar nossos pensamentos.”                                       

Cada uma faz a sua receita, mas a maioria concorda em alguns pontos fundamentais. Um deles poderia ser enunciado da seguinte maneira: “Não faça a sua felicidade depender de outra coisa que não seja você mesmo.” O detalhe é que fomos educados para perceber ao contrário: o namorado ou namorada sendo a razão da nossa felicidade, ou a quantidade de dinheiro ou o grau de escolaridade determinando o tamanho da felicidade de alguém. Até mesmo um time de futebol passa a ser a razão da felicidade ou infelicidade de um torcedor mais desavisado.

Afinal, quem é o responsável pelo que ocorre em nossas vidas?

O mundo, que vemos diante de nossos olhos, nada faz por conta própria, e não tem qualquer poder de forma alguma, porque ele, meramente, representa o que pensamos dele. Assim sendo, só conseguimos mudar o mundo que vemos, mudando nossos pensamentos a respeito dele.

Na grande maioria das vezes sofremos por causa de nós mesmos e nem nos damos conta disso. Nem cogitamos de nos perguntar: porque estou sofrendo? Se fizéssemos uma investigação honesta veríamos que se mudássemos as nossas crenças e ideias a respeito daquilo o nosso sofrimento desapareceria.

No evangelho tem uma frase de Jesus muito reveladora a este respeito: “Você que vê o cisco no olho do seu irmão, vá primeiro tirar a trave que está no seu próprio olho.” Como se ele quisesse nos dizer: pare de acusar os outros e o mundo pela sua infelicidade. Vá primeiro fazer a sua higiene mental, daí você poderá ver aquele mesmo fato de um outro jeito. Não é o problema que causa seu sofrimento; é o seu pensamento a respeito do problema que te infelicita.

O que pouca gente sabe é que estamos o tempo todo escolhendo sobre o destino e o perfil da nossa vida. Quando nos sintonizamos com um “canal de pensamento”, seja qual for, na verdade estamos fazendo uma escolha sobre o que iremos sentir, pois, como já dissemos, são os pensamentos que provocam as nossas emoções. Enquanto não começarmos a investigar o que está na nossa mente, esse processo continuará inconsciente e automático.

Não existe qualquer culpa em se sentir assim ou assado, nem é certo ou errado sofrer ou se alegrar diante de uma dada situação. O que estamos tratando aqui é do quanto podemos assumir de responsabilidade sobre os nossos sentimentos, pois um maior domínio da nossa vida começa por aí: escolher o que queremos pensar a respeito do que nos acontece. E o segredo é termos a força e a coragem de nos fazer uma simples perguntinha, principalmente nos momentos de conflito. A pergunta é: existiria uma outra forma de pensar sobre isso que poderia me trazer mais paz?

Só assim poderemos aumentar a nossa liberdade! Uma pessoa é mais livre quanto mais pode fazer, conscientemente, suas escolhas. O que normalmente acontece é que as nossas crenças e pensamentos inconscientes é que governam a nossa vida. Como não nos damos conta disso passamos a achar então que são os outros os responsáveis pelo que sentimos. As novelas e as canções populares reforçam esta ilusão o tempo todo.

Todo dia, não importa quem, quando ou onde estejamos, não importa em que circunstância, ou que pessoas pareçam nos rodear, nós temos o poder, intransferível, de escolher se vamos ficar de baixo astral ou alto astral. Ou deixamos os fatos da vida definirem a nossa realidade interior, ou escolhemos nos sentir em paz e confiantes, apesar de…

 

Compartilhe:

Rua João Chagas 383 / 1203 - Bairro União - Belo Horizonte - MG CEP 31170-370

(31)98744.0793

julio@juliomachado.com.br

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.