Podcast 29 – O CIÚME- parte 1

Por:Julio Machado
Podcast

29

maio 2017

CLIQUE NO PLAY PARA OUVIR

Vamos abordar hoje a questão do ciúme. Quero demonstrar como ele pode ajudar na construção do relacionamento e, também, em que situação ele pode colocar tudo a perder.

Por mais paradoxal que pareça, um dos ingredientes que mais assegura o vínculo de um casal é a liberdade. Dizendo de um modo mais enfático: o que nos cativa… é a liberdade.

Por meio dela a relação pode respirar e percorrer caminhos criativos e construtivos. Neste caso, o outro me cativa não é quando ele me prende, mas sim quando eu me prendo a ele, espontaneamente.
Ao contrário, uma união que é fechada como numa gaiola dourada, os parceiros tendem a agir como se fossem donos um do outro. Sentem-se ameaçados com qualquer novo empreendimento que o outro venha a fazer sozinho, seja um curso, uma viagem, uma terapia, etc. Como isso pode lhes fugir ao controle, temem que essa escapada possa ameaçar a manutenção do relacionamento.
O ciúme é como uma moeda – tem duas faces. Dependendo de qual dos lados experimentamos, o seu efeito pode ser destrutivo ou mais saudável.

O modo mais comum de nos comportarmos quando somos atacados pelo ciúme é lançarmos em contra-ataque, nossas flechas contra o outro. Ficamos emburrados, agressivos e chantagistas; isto para mostrar ao outro como ele nos magoou com a sua maneira de ser ou de agir. Essa é a face perversa e destrutiva do ciúme, pois também queremos que o outro sofra pela culpa de nos fazer sofrer. Tentando mascarar o ciúme como uma prova de amor, na verdade ficamos é desassossegados e ansiosos por medo de perder a posse do outro.

Me ocorre aqui aquela situação de um casal de namorados onde ela viajou com a sua turma de faculdade para uma excursão na praia. Enquanto se despedia do namorado ele a fez jurar que ela telefonaria todos os dias, a pretexto de matar um pouco a saudade. Pois no primeiro telefonema, no dia seguinte, quando ele pergunta como ela está se sentindo, qual é a resposta que ele espera receber? O quê você acha que uma pessoa possessiva gostaria de ouvir do outro lado da linha?

1ª opção: Estou ótima, a turma é super divertida, o lugar muito agradável e esta noite ficamos até de madrugada tocando violão na praia.

2ª opção: Estou deprimida, só tem gente chata neste lugar, aqui está tudo cinza sem você e estou louca para voltar para casa.

E aí, ainda tem alguma dúvida do que o ciumento quer escutar?

Pois acertou quem respondeu a 2ª opção. No fundo, no fundo o que uma pessoa ciumenta mais deseja não é o bem e a felicidade da pessoa amada, a não ser que esteja na sua companhia. Longe da sua presença, quanto pior ela estiver, melhor, pois assim ela comprova, através do fracasso do outro, o seu valor. No fundo, no fundo a pessoa enciumada se acha o mosquito do cocô do cavalo do bandido e faz de tudo para receber do outro um reconhecimento, que ela mesmo não se dá.

Assim sendo, depois de armar o seu barraco, o ciumento espera que o outro tome as providências, de preferência anulando-se, no sentido de aliviar o seu sofrimento. Caso prevaleça essa postura, em que saem vitoriosos o egoísmo e o medo, o amor sai perdendo. Sai perdendo porque o amor só é belo quando é livre. Quando o engaiolamos, ele só tende a murchar e a entristecer.
Tolhendo a liberdade do nosso parceiro, como teremos certeza de que ele está conosco por vontade própria?
Nesse caso o ciúme só faz aumentar a dúvida; e a dúvida, por sua vez, só faz aumentar o ciúme. Ficamos atolados num círculo vicioso.
Uma outra consequência dessa invasão do espaço de liberdade que o ciúme provoca é que começamos a sentir uma inevitável e, muitas vezes, inconfessável, rejeição e raiva do parceiro ciumento. Queremos ficar livre da sua presença sufocante. A continuar assim, a morte do amor é inevitável. Necessariamente, isso não significa o rompimento do vínculo, pois a relação poderá continuar sendo mantida, por medo das consequências econômicas e sociais de uma separação ou por estar engessada a certas crenças familiares ou religiosas. O vínculo permanece, mas sem amor verdadeiro…sem vida. Sepulcros caiados, como diz a expressão bíblica.

Como veremos, não há nada de errado em sentir ciúmes. Aliás, desconheço alguém que não o experimente, inclusive eu, mesmo que de vez em quando. O problema é quando nos posicionamos de uma forma errada quando ele se manifesta.
Felizmente podemos aprender a encarar o ciúme de uma forma mais edificante e colocá-lo a favor do nosso relacionamento. Como aponta a música “Estranho Amor”, do Caetano Veloso, que diz assim:

“… deixe o ciúme chegar
deixe o ciúme passar
e sigamos juntos”.

 

Compartilhe:

Rua João Chagas 383 / 1203 - Bairro União - Belo Horizonte - MG CEP 31170-370

(31)98744.0793

julio@juliomachado.com.br

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.