Podcast 37 – QUALQUER MANEIRA DE AMOR VALE A PENA

Por:Julio Machado
Podcast

13

Jan 2018

 

Olá meus amigos e amigas, bem vindos. Algumas vezes nos deparamos com algum escrito que gostaríamos de fazê-lo como de nossa autoria. Assim aconteceu com um texto sobre o amor escrito pelo poeta Mário Quintana, o qual adaptei para o podcast desta semana. A benção Mário Quintana, o solteirão que mais entendeu sobre relacionamento de casal. Ele começa dizendo assim:

Para os meus amigos que estão…SOLTEIROS.
O amor é como uma borboleta.
Por mais que tente pegá-la, ela fugirá.
Mas quando menos você esperar, ela estará ali do seu lado.
O amor pode te fazer feliz, mas às vezes também pode  te ferir.
Mas o amor será especial quando você tiver o objetivo de
Se dar somente a um alguém que seja realmente valioso.
Por isso, aproveite o tempo livre para escolher.
E enquanto você está sozinho namore com a vida, com os amigos, com o seu trabalho…

Agora, para os meus amigos ENAMORADOS.
Amar não é se envolver com a “pessoa perfeita”, aquela
dos nossos sonhos.
Não existem príncipes nem princesas.
Encare a outra pessoa de forma sincera e real, exaltando, sobretudo, suas qualidades,
mas reconhecendo também os seus defeitos.
O amor é belo, quando encontramos alguém que nos aceite como somos e nos ajude a nos transformarmos no melhor que podemos ser.

Para meus amigos que gostam de…PAQUERAR.
Nunca diga “te amo” se a pessoa não te interessa.
Nunca fale sobre sentimentos quando estes não existem.
Nunca toque numa vida, se não pretende compartilhar seu coração.
Nunca olhe nos olhos de alguém, se não quiser vê-lo
se derramar em lágrimas por sua causa.
A coisa mais cruel que alguém pode fazer é permitir que alguém
se apaixone por você, quando você não pretende fazer o  mesmo…

Para meus amigos…CASADOS.
O amor não te autoriza a dizer “a culpa é”… mas te convida a dizer “me perdoe”.
Te convida também a compreender o outro, respeitar que ele diferente de você e a se colocar no seu lugar.
Diz o ditado que um casal feliz é aquele feito de dois  bons perdoadores.
A verdadeira medida de compatibilidade entre um casal não são os anos
que passaram juntos, mas sim o quanto, nesses anos, foram atenciosos um
com o outro.

Agora, para meus amigos que têm um CORAÇÃO PARTIDO.
Um coração assim dura o tempo que você deseje que ele  dure,
e ele lastimará o tempo que você permitir.
Um coração partido sente saudades, imagina como seria bom,
mas não permita que ele chore para sempre.
Permita-se rir e conhecer outros corações.
Aprenda a viver, aprenda a amar as pessoas com solidariedade,
aprenda a fazer coisas boas, aprenda a ajudar a própria vida.
A dor de um coração partido, é inevitável, mas o sofrimento é opcional. E
lembre-se: É melhor ver alguém que você ama feliz com outra
pessoa, do que vê-la infeliz ao seu lado.
Portanto, pare de choramingar, erga a cabeça e dê um sorriso para a primeira pessoa com a qual você se encontrar.

Para meus amigos que são…PRETENDIDOS.
Imaginemos que alguém se apaixonou por você sem que você tivesse qualquer participação nesse fato. Você não teve culpa, é verdade.
Agora, não se aproveite da fragilidade dessa pessoa.
Pense que o mesmo poderia ter acontecido com você.
Seja sincero, mas não seja duro; seja compreensivo, mas não alimente esperanças.
Você não tem que namorar, só porque alguém gostaria de te namorar.
Mas, com a sua sinceridade, poderá ajudar esta pessoa a se tornar um grande amigo ou amiga.

Para meus amigos que têm MEDO DE TERMINAR.
Às vezes é duro terminar com alguém, e isso dói em você.
Mas dói muito mais quando alguém rompe contigo, não é verdade?
Mas também o amor dói muito quando descobre que o outro está conosco mais por medo, por pena, do que por desejo.
Não engane tal pessoa, não seja grosso e rude  esperando que ela adivinhe que você não
quer mais investir seu sentimento nessa relação.
Também não a force a terminar com você só para que você se sinta mais aliviado e sem culpa. Isso é covardia.
Lembre-se que a melhor forma de ser  respeitado é respeitar.
E a melhor forma de respeitar o outro é sendo verdadeiro e sincero.
O tempo passa e não volta atrás; E como diz um ditado: não adianta gastar cera nova em assoalho podre.

Pra terminar…
Eterno, é tudo aquilo que é amado, mesmo que numa fração de segundo,
mas com tamanha intensidade, que se imortaliza,
e nenhuma força jamais o apaga…

 

Compartilhe:

Rua João Chagas 383 / 1203 - Bairro União - Belo Horizonte - MG CEP 31170-370

(31) 3486-9883

luxor@juliomachado.com.br