Podcast 38 – A HISTÓRIA DO BUDA DOURADO

Por:Julio Machado
Podcast

02

fev 2018

CLIQUE NO PLAY PARA OUVIR

Quero começar a nossa reflexão de hoje com uma intrigante história. Em 1957, na Tailândia, estava sendo realizada a mudança de um mosteiro e um grupo de monges ficou encarregado de transportar um gigantesco Buda feito de argila. No meio da mudança, um dos monges percebeu uma rachadura na imagem. Com a preocupação de não danificá-la os monges decidiram esperar mais um dia antes de continuar a tarefa. Quando a noite caiu, o monge foi verificar a estátua danificada. Percorreu o Buda inteiro com a luz da lanterna. Quando encontrou a rachadura, notou algo que refletia a luz de volta pra ele. O monge, curioso, arrumou um martelo e um cinzel e começou a tirar lascas do Buda de argila. À medida que ia retirando os pedaços, o Buda se tornava cada vez mais brilhante. Depois de horas de trabalho, o religioso olhou para cima, extasiado, e viu-se diante de um Buda enorme de ouro maciço.

Muitos historiadores acreditam que o Buda foi coberto de argila pelos monges tailandeses havia centenas de anos, antes de um ataque do exército birmanês. Eles cobriram o Buda para evitar que ele fosse roubado. No ataque, todos os monges foram mortos; assim, só em 1957, quando estavam transportando a enorme estátua para outro lugar, é que os encarregados da mudança descobriram o tesouro.

O que você acha que os monges pensaram a respeito da argila que encobrira o Buda de ouro por tantos anos? Uma coisa boa ou uma desgraça?
O que esta fantástica história tem a ver com a gente?

Como a estátua do Buda, em algumas ocasiões da nossa vida, principalmente na infância, tivemos a necessidade de formar algumas capas (na forma de medos e resistências) a fim de nos proteger contra as agressões do mundo à nossa volta. Assim sendo, o nosso ser brilhante ficou escondido lá dentro. Inconscientemente, escondemos nosso interior dourado sob algumas carapaças: de timidez, de insegurança, de arrogância, de superioridade, de pessimismo etc. Só que da mesma forma que a argila não é mais necessária, atualmente, para encobrir o Buda, muitas dessas capas que nos recobrem também já não tem nenhuma utilidade, mas continuaram ali até serem retiradas. Tudo o que precisamos fazer para descobrir esse ouro precioso é ter a coragem de retirar as camadas que recobrem nosso exterior, pedaço por pedaço.

Uma das dificuldades que criamos na hora de desencapar o nosso Buda é que olhamos para estas camadas de argila com uma certa raiva e desprezo. Odiamos a nossa carapaça.
Que tal olharmos para cada um dos nossos medos, inseguranças e bloqueios que adquirimos ao longo da vida com um olhar diferente? Um olhar de amor e reverência.

Creio que este tenha sido o olhar daquele monge à medida em que tirava a camada de argila que encobria o Buda. Graças a esta capa protetora eles tinham agora um precioso Buda intacto. Só que agora, como não existe mais nenhuma ameaça querendo destruí-la, eles poderiam retirá-la. Ou melhor, devem retirá-la para revelar a beleza que existe no interior.

À medida em que formos abençoando cada um desses nossos bloqueios descobriremos que essas crostas de argila nos protegeram muito mais do que imaginamos. Precisamos das carapaças por diversos motivos, e para cada um de nós as razões são diferentes. Mesmo que o nosso objetivo final seja deixar cair nossas máscaras, necessitamos, antes, entendê-las e fazer as pazes com elas. Você acha que, depois que os monges retiraram a crosta de argila do Buda Dourado, eles disseram: “Odiamos aquela carapaça horrenda?” Não, certamente eles abençoaram cada pedacinho de argila que encobrira o seu precioso Buda.

Toda pessoa nasce com um sistema emocional saudável. Ao nascer, nos amamos e nos aceitamos, sem fazer julgamentos sobre quais são as nossas partes boas e quais as ruins. Ocupamos a integridade do nosso ser, vivendo o momento e expressando livremente o nosso eu. À medida que crescemos, começamos a aprender com as pessoas à nossa volta. Elas nos dizem como agir, quando comer, quando dormir, e começamos a fazer distinções. Aprendemos quais são os comportamentos que nos garantem aceitação e quais os que provocam rejeição. Aprendemos quais são as características aceitáveis em nosso meio e as que não são aceitáveis. Só que esse aprendizado nos desvia da possibilidade de viver cada faceta do nosso ser e impede que nos expressemos livremente.

Precisamos compreender que o amor e o ódio, a tolerância e a raiva, o desapego e a ganância e mais um tanto de características humanas são compostas de dois lados. Tudo tem o seu oposto e o que mais precisamos aprender é a aceitá-las e integrá-las dentro de nós e não a separá-las em um lado certo e o outro errado, como nos ensinaram.

 

Compartilhe:

Rua João Chagas 383 / 1203 - Bairro União - Belo Horizonte - MG CEP 31170-370

(31)98744.0793

julio@juliomachado.com.br

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.