Podcast 49 – QUATRO MESES PARA VIVER

Por:Julio Machado
Podcast

15

nov 2019

CLIQUE NO PLAY PARA OUVIR

Outro dia foi o aniversário do falecimento de uma senhora muito querida e por muitos conhecida. Há uns anos atrás, chegando de uma das dezenas de consultas médicas que  estava se submetendo, ela disse aos familiares:
– Pedi franqueza à junta médica que me examinou; pedi-lhes que não me poupassem de saber a verdade sobre meu estado de saúde, pois sinto que agora me resta pouco tempo de vida.
Diante dos olhares ansiosos dos seus familiares, ela continuou:
Eles me revelaram que sou portadora de uma moléstia incurável e que minha previsão de vida é de aproximadamente 4 meses.
– E a senhora nos conta isso com essa naturalidade ? perguntou uma das filhas, em prantos.

E ela continuou falando, com muita serenidade:
– Ora, eu tenho um bom tempo para fazer tudo deveria ter feito já não é de hoje. Arrumarei todos os meus armários, guardarei o que realmente uso e o resto jogarei fora ou doarei para quem precisa. Colocarei belas cortinas em todas as janelas e elas também me impedirão de ficar olhando a vida alheia. Todos os dias enquanto tirar o pó da casa pensarei: Estou me livrando das sujeiras que guardei do passado.
Evitarei ouvir e assistir más notícias;  alimentarei o meu espírito com leituras saudáveis, conversas amigáveis e dispensarei as fofocas, pois não tenho tempo para ficar criticando a mais ninguém. Enquanto tiver tomando meu banho, pensarei naqueles que já me magoaram e, com sinceridade, os perdoarei.

Todas as noites agradecerei a Deus por tudo que estarei conseguindo fazer nestes últimos 4 meses que me restam. Todas as manhãs, ao acordar, perguntarei a mim mesma: O que posso fazer para que o dia de hoje seja um dia melhor?
E farei de tudo para transmitir felicidade àqueles que de mim se aproximarem. A cada dia que passar quero fazer pelo menos uma boa ação. Ora, quatro meses são mais de 120 dias, portanto, quando eu fechar os olhos para nunca mais abri-los, então eu terei ajudado o mundo a ser um pouco mais belo e harmonioso.

Todos que a ouviam, pouco a pouco se retiravam, indo cada um para um canto, para chorar sozinho.
E a mulher ali ficou e nos seus olhos havia um brilho de alegria.
Pensava consigo mesma: “não posso curar meu corpo, mas posso mudar a vida que me resta.”
Ela tinha uma grande tarefa: transformar seu mundo interior, sendo mais verdadeira consigo mesma e agindo de forma coerente com os seus sentimentos. Nesses 4 meses ela conseguiu cumprir a maior parte das coisas que se propôs, tornando-se uma pessoa completamente diferente do que já fora.

O mais curioso dessa história é que, após a notícia dada aos familiares, ela viveu mais 23 anos. Ela curou a sua própria alma e sua moléstia desapareceu; ela morreu de velhice.

Pois bem pessoal, essa história nos mostra como a expectativa da morte iminente é capaz de despertar reações surpreendentes. É verdade que alguns não resistem e se deixam levar pela tristeza e apatia, perdendo-se no labirinto da depressão. Outros, porém, acordam para viver de verdade e buscam novos caminhos.

E você? Se soubesse agora que tem apenas 4 meses de vida, que mudanças faria? Você se deixaria levar pela apatia ou reorganizaria sua vida com base nas suas verdadeiras prioridades?
Se soubéssemos que teríamos apenas mais 4 meses para viver, certamente viveríamos de maneira diferente. Seríamos mais autênticos e teríamos mais ousadia na forma de preencher este pouco tempo que nos resta.

Mas essa reação contraditória levanta uma questão: o que nos impede de viver dessa maneira agora?
Seria a falta de um ultimato dos médicos, nos lembrando que não ficaremos aqui neste planeta para sempre?

Como dizem os mestres: Viva o dia de hoje como se fosse o último dia da sua vida. Portanto, não deixe para depois aquilo que a vida te chama a fazer agora, principalmente no que se refere ao amor por ti e pelos outros.

“Hoje o tempo voa amor, escorre pelas mãos
Mesmo sem se sentir
E não há tempo que volte amor
Vamos viver tudo o que há para viver
Vamos nos permitir…” (Lulu Santos)

 

Compartilhe:

Rua João Chagas 383 / 1203 - Bairro União - Belo Horizonte - MG CEP 31170-370

(31)98744.0793

julio@juliomachado.com.br

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.