Podcast 62 – CONSTRUINDO A AUTOESTIMA DOS NOSSOS FILHOS

Por:Julio Machado
Podcast

23

fev 2022

CLIQUE NO PLAY PARA OUVIR

Ao lidar com os problemas da educação nos dias de hoje, os especialistas se concentram num processo essencial: o estímulo e o reforço da autoestima das crianças e dos adolescentes.

Autoestima é, numa definição simplificada, o que a pessoa sente em relação a si mesma. Quando positiva, significa que  ela se tem em boa conta, acredita que os outros gostam dela e confia em sua capacidade para lidar com desafios. Quando a autoestima é baixa, a pessoa acha que não merece o amor de ninguém porque não sabe fazer nada direito, podendo vir a se tornar excessivamente tímida e sem iniciativa ou, no outro extremo, se rebelar contra tudo e contra todos.

Ter uma boa autoestima fará toda a diferença naqueles momentos em que o jovem é confrontado com o seu grupo no sentido dele fazer algo que não quer,  ou que não acha certo. Ele terá mais segurança em dizer não, porque não teme perder o apoio do grupo. Mas, se a criança ou o adolescente forem mais inseguros, não resistirão a provocações do tipo “deixa de ser filhinho da mamãe, prova isso aqui cara” – e acabarão cedendo.

No começo deste século, pesquisadores da Universidade de Harvard concluíram que nos distúrbios alimentares mais graves, como a anorexia e a bulimia, a baixa autoestima é um requisito essencial para a evolução da doença: toda menina obcecada em emagrecer age assim porque não se acha bonita e, se não é bonita, não vai conseguir arranjar amigos e namorados.

Quem conhece e valoriza, não apenas a sua aparência, mas sobretudo suas qualidades humanas, adquire mais autoconfiança e tem menos probabilidade de pertencer ao grupo dos que se acham rejeitados.

Freud, no começo do século, foi o primeiro a teorizar que amor-próprio, o nome antigo da autoestima, é obrigatório para uma vida saudável. Solidificá-lo faz parte do processo de aprendizagem de vida. Esse processo caminha bem no primeiro ano de vida, quando a mãe, com o seu olhar coruja, faz o bebê se sentir o foco de todo o afeto do mundo. Na fase seguinte, do desenvolvimento motor, ocasião em que a criança começa a dar os primeiros passos, soma-se agora a necessidade daquele “muito bem, parabéns”, elogios obrigatórios para tarefas como comer sozinha e amarrar os sapatos.  Na segunda infância, o cimento da autoestima é o sucesso na escola, que não é sinônimo de notas altas, mas sim da percepção de que a criança é capaz de aprender, de se sentir motivada para estudar e de ter prazer nas descobertas. A moçada gostará mais de si mesma, se tiver amigos e se sentir que é querida pelos colegas.

Para os pais, achar a medida certa, na hora de estimular a autoestima, exige doses de bom senso e capacidade de discernimento, para saber a hora de dizer sim e a hora do não. Que ninguém se iluda – este difícil equilíbrio exige habilidade de malabarista de circo.

Pais superprotetores estimulam nos filhos uma autoimagem negativa, pois estes se sentem meio que imprestáveis pelo fato dos pais resolverem tudo; por outro lado, mal acostumados a ter tudo o que querem de mão beijada, exigem cada vez mais e, não sendo atendidos, se sentem diminuídos, como se o mundo não gostasse mais deles.

Já aqueles pais obcecados com a performance dos filhos, do tipo que exigem comportamento impecável e notas excelentes, podem acabar sufocando-os e induzindo ao sentimento de que nada do que os filhos fazem é suficiente. Esta é uma boa receita para formar pessoas estressadas e ansiosas.

O mais importante na construção da autoestima de uma pessoa é passar para ela o sentimento de que ela é importante e respeitada pelo que ela é, independente do seu comportamento ou das suas notas escolares. De que ela não precisa fazer algo para merecer o nosso amor, pois ele é dado gratuitamente. A isso chamamos amor incondicional.

Não penso que amamos incondicionalmente os nossos filhos o tempo todo. Muitas vezes vamos atrelar o amor ao merecimento. Isso é normal. Mas uma pitada de amor incondicional é indispensável para fortalecer na pessoa o sentimento do seu valor humano, onde ela não é comparada com nada nem ninguém. Onde ela é simplesmente aceita pelo que ela é.

 

Compartilhe:

Rua João Chagas 383 / 1203 - Bairro União - Belo Horizonte - MG CEP 31170-370

(31)98744.0793

julio@juliomachado.com.br

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.