(31)98744.0793

julio@juliomachado.com.br

Podcast 70 – O MUNDO NÃO MUDA…NÓS MUDAMOS

Por:Julio Machado
Podcast

19

maio 2022

CLIQUE NO PLAY PARA OUVIR

Vamos hoje falar sobre mudanças. Todos nós queremos viver com mais qualidade e saúde. Harmonia nos relacionamentos, paz de espírito e sucesso profissional são ingredientes que buscamos a todo o momento. Queremos transformar o sofrimento e o desconforto em prazer, queremos ser pessoas melhores, mais sábias e alegres.

Entretanto, este desejo tão legítimo parece ser tragado pelo stress do cotidiano. Vivemos como se estivéssemos sempre correndo atrás do prejuízo e com a sensação de que sempre falta alguma coisa. Percebemos a vida como uma batalha onde mal acabamos de  resolver um problema já nos aparece um outro pela frente.

Queremos sair desse círculo vicioso.. mas já deu para perceber que não basta querer. É preciso aprender a trilhar esse caminho que nos leva para fora desse atoleiro. E este caminho é feito de mudanças que virão das novas escolhas que fizermos.

Podemos já de antemão anunciar uma das principais questões que impedem as mudanças na nossa vida. O que você acha? Qual é a atitude que mais atrasa a nossa vida fazendo com que fiquemos andando em círculos? A resposta é: a nossa insistência em mudar o que é externo a nós, o problema é a nossa crença de que se mudarmos os fatos ou as pessoas, nossa vida vai melhorar.

Por exemplo: se nos sentimos deprimidos, o nosso primeiro reflexo é procurar uma causa fora de nós, o que equivale a procurarmos um culpado lá fora. Acreditamos que alguém ou alguma coisa tem que ser o responsável pelo que estamos sentindo. Esse reflexo é tão arraigado em nós que poderíamos até brincar afirmando que ele vem de fábrica, que nascemos com ele. Isso não é bem verdade, pois o que aconteceu é que, desde pequenos vimos os adultos à nossa volta nos ensinando a enxergar a vida desse jeito e assim a coisa foi se estabelecendo.

Até a nossa linguagem está contaminada desse paradigma. Dizemos frases do tipo:
– esse transitou me estressou;
– hoje ganhei o dia depois que encontrei com aquela pessoa;
– esse dia chuvoso me deixa tão triste; ou então…
– o meu time de futebol é a razão da minha alegria.

São tantas coisas que pensamos que nos deixam para cima ou para baixo, que não temos nenhuma dúvida de que não sejam elas a causa dos nossos sofrimentos e prazeres. Mas…Como uma chuva pode entristecer alguém se ela também pode alegrar tanta gente que espera por ela? Será que é o trânsito que me estressa ou sou eu que me estresso no trânsito?

Você alguma vez já pensou que este modo de enxergar a vida, que este velho paradigma… pode estar errado? Faria algum sentido para você pensar que não são os fatos, mas sim o significado que esses fatos têm para cada pessoa é que determina o que ela irá sentir. Assim é que um mesmo fato pode provocar  reações diferentes em cada pessoa, dependendo de como cada um o enxerga. Esse “enxergar os fatos” é a lente com a qual interpretamos aquilo que vivenciamos, aquilo que nos acontece. Nosso sistema de crenças e de valores, incluindo também nossos medos e preconceitos, fazem, então, uma filtragem de tudo o que percebemos, construindo assim os nossos pontos de vista e as ideias que temos a respeito de tudo. O alto astral ou o baixo astral vem por último, como resultado dessa filtragem.

Normalmente queremos explicar os porquês das nossas emoções, colocando os fatos da vida como seus causadores. Por exemplo: “Estou muito infeliz e indignado porque aquela mata pegou fogo. Portanto o fogo na mata seria a causa da minha indignação. Só que você há de convir que um mesmo fato pode levar a emoções muito diferentes, conforme o que pensamos daquilo que está acontecendo. Uma mata incendiada pode provocar indignação naquele botânico ou naquele artista, enquanto o moço que teria o trabalho de roçá-la poderá ficar bem satisfeito e aliviado. Aqui não está em questão se devemos sentir isto ou aquilo, ou se o sentimento é certo ou errado, mas, sim, que as emoções podem ser diferentes diante de um mesmo fato. Portanto, não podem ser os fatos a causa das nossas emoções, mas sim a interpretação que cada um dá para aquilo que lhe acontece. São a nossas ideias que nos levam a experimentar as emoções mais diversas. Tudo depende da interpretação que damos às coisas que experimentamos.

Aí está a chave do poder pessoal. Se quisermos então fazer uma mudança para nos sentirmos melhor, não devemos tentar mudar os fatos, mas sim a nossa crença a respeito deles. Mudar os fatos não está no nosso alcance. Não temos o poder de mudar as condições meteorológicas ou o trânsito, mas mudar o modo como encaramos os fatos só depende de nós. Devido às velhas crenças de que são os fatos que causam nossas emoções e que nos levam a ter determinados comportamentos, nos sentimos impotentes para mudar nossa vida na direção de nossas escolhas. Pensamos: “não posso mudar os fatos, portanto, não posso mudar a minha vida.”

Só que “As coisas não mudam: nós é que mudamos”.

A vida é como uma tela em branco onde pintamos o quadro que queremos. Pode ser um quadro mais para a depressão e o fracasso ou um quadro mais para a alegria e a prosperidade. Tudo depende da combinação de cores que utilizamos, isto é, que pensamentos estamos utilizando para encarar a vida.

Bem pessoal. Vamos fazer uma pausa por aqui para você digerir um pouco essa nossa conversa. Sugiro que você ouça, pelo menos mais uma vez, este podcast para facilitar a sua assimilação. Na próxima semana daremos mais um passo.

 

Compartilhe:

Olá, tem alguma dúvida? Clique aqui!